Português

Apresentação

Apresentação

O Mestrado Profissional em Economia (MPE) originou-se por iniciativa de professores do Curso de Pós-Graduação em Economia (CAEN) da Universidade Federal do Ceará (UFC), cujas atividades foram iniciadas em setembro de 2000. Sua finalidade essencial tem por base atender a demanda da sociedade por uma capacitação profissional de natureza diferenciada daquela do mestrado acadêmico tradicional, atendendo um público de graduados em áreas diversas de conhecimento. Nesse sentido, sua proposta principal é apresentar a teoria econômica com esboço metodológico de ensino acessível aos profissionais, associada com disciplinas instrumentais, de modo direcionado e aplicada a várias áreas de concentração em economia e finanças. À época de sua criação, com área de concentração em Economia de Empresas, O MPE foi o primeiro Mestrado Profissionalizante Stricto Sensu criado na Universidade Federal do Ceará, bem como o primeiro do Nordeste reconhecido e credenciado junto a CAPES/MEC.

A partir de seu viés profissionalizante, o MPE objetiva repassar ao aluno instrumental prático e analítico que lhe permita o estudo e solução dos mais diversos problemas econômicos e financeiros enfrentados pelos setores privado e público em um ambiente de economia global e competitiva.

Podendo ser cursado em tempo parcial, com aulas noturnas e duração máxima de dois anos, distribuídos em um ano para disciplinas e até um ano para dissertação (totalizando 450 horas), essa modalidade de mestrado apresenta-se como opção ideal para aqueles que, mesmo permanecendo em suas atividades profissionais, desejam aprofundar seus conhecimentos sobre Economia e Finanças, e obter uma titulação Stricto Sensu de “Mestre em Economia”. Os cursos do MPE apresentam uma abordagem teórica rigorosa, todavia, sem requerer o grau de formalização matemática presente nos cursos de mestrado acadêmico em economia. Sua metodologia didática se dá em bases conceituais e técnicas estatísticas/econométricas fundamentais em níveis de profundidade suficientes para se avaliar problemas concretos relacionados à esfera econômica de atuação do poder público.

O sucesso do MPE na área de concentração de economia de empresas gerou expectativas junto aos mais diversos segmentos da sociedade de que o CAEN viesse a oferecer cursos em outras áreas de concentração. Inicialmente criou-se a área de Desenvolvimento Econômico visando atender a demanda de profissionais fora da área privada, notadamente aqueles ligados a órgãos públicos de desenvolvimento ou professores de instituições públicas de ensino superior que necessitem cursar uma pós-graduação, conciliando as atividades em suas universidades, fato este impeditivo em um mestrado acadêmico. Com a integração de novos professores especialistas em avaliação de políticas e economia do setor público, o CAEN se viu capacitado a ofertar também um curso profissional voltado para a Economia do Setor Público, em resposta à necessidade de qualificar gestores públicos para atuarem de forma dinâmica e eficaz, contribuindo para que eles fortaleçam seus embasamentos teórico e empírico de Economia a fim de capacitá-los a melhor  prover sugestões e soluções para os mais variados problemas que envolve o sistema de administração pública.

O Mestrado Profissional em Economia do Setor Público (MESP) possui uma grade curricular desenhada para profissionais que objetivam obter uma formação sólida em métodos quantitativos, teoria econômica e fundamentos da economia do setor público, sejam para aqueles que já atuam ou que pretendem atuar em atividades ligadas à provisão, avaliação e regulação desse setor. O profissional/mestre em economia do setor público estará, então, mais qualificado para desenvolver atividades de políticas públicas. Portanto, concretiza-se a ideia de que esse mestrado preparará o futuro profissional de tal forma que ele/ela possa identificar, avaliar e propor soluções para problemas ligados aos serviços públicos em nível federal, regional, estadual, municipal ou setorial.  Espera-se também que o futuro mestre desenvolva interesse e habilidades para se engajar em pesquisas ligadas a políticas públicas.

A criação do Curso de Finanças na FEAAC/UFC em 2011 e credenciado pelo MEC em 2015, e o surgimento no CAEN de professores especialistas em finanças, contribuíram para a abertura de mais uma área de concentração no mestrado profissional, notadamente em Finanças e Seguros (MPFS). Trata-se de uma área inovadora, com duração igual às das demais áreas, ministrado por profissionais com conhecimento acadêmico e com reconhecida experiência operacional de mercado, que conta com material didático enriquecido com publicações especializadas produzidos especialmente para as aulas e desenhado para profissionais que atuam ou que pretendem atuar em atividades ligadas à gestão de riscos financeiros e atuariais. O profissional/mestre dotado com a especialização em finanças e seguros poderá atuar em agências governamentais e não-governamentais, instituições financeiras e não-financeiras, organizações sem fins lucrativos e na iniciativa privada em geral.

A abordagem teórica e aplicada desse mestrado seguirá os mesmos princípios didático-metodológicos adotados nas outras áreas de concentração do MPE, dentre os quais, não envolverá formalização matemática excessiva presente nos cursos de mestrado acadêmico em economia, porém, manterá o nível de rigor conceitual e de técnicas estatísticas/econométricas e teoria econômica que servirão de base para a consideração de problemas concretos relacionados à tomada de decisão financeira e atuarial, tanto pessoal como institucional.

A conclusão do MPFS permitirá que o profissional possa se qualificar em duas vertentes: Finanças – destinado à formação de profissionais para o mercado financeiro e para a área financeira das empresas e até para gestão de recursos financeiros pessoais; Seguros – voltado para a formação de profissionais para gestão de pensões e seguros.

O Mestrado Profissional ofertado pelo CAEN passou a ter identidade acadêmica e institucional próprias a partir de agosto/2016, com o seu credenciamento junto à CAPES como Programa de Economia Profissional (PEP). Disso resultou a nomeação pelo Reitor da UFC de um Coordenador Institucional eleito pelo colegiado do CAEN. A partir de então houve a necessidade da criação da composição do colegiado e das normas de regulamentação do Programa, os quais foram estabelecidos através de seu Regimento Interno, que teve sua aprovação pela PRPPG/UFC em novembro/2016.

Na primeira avaliação quadrimestral (2013/2016) realizada pela CAPES dos mestrados profissionais stricto sensu no país, o PEP/UFC obteve nota 4 (quatro), qual seja, um ponto abaixo da nota máxima.